Arquivo anual 2018

Mensagem psicografada publicada pela FEB

Aqui, forja-se a constelação de esperança que irá formar fonte inesgotável de bênçãos em favor do nosso Brasil.

Somos sementeiras que fortalecem o Bem, que é e sempre será o reflexo da vontade do Criador, nos mundos infinitos que compõem o universo.

A consciência de realização individual que projeta prosperidade, entre os filhos de Deus, constrói a nação espiritual, onde nos encontramos atualmente encarnados.

Aqui, o Cruzeiro do Sul brilha vibrante de forma a levar para todos os presentes a fulgurante imagem da cruz bendita, a nos fazer lembrar que o servir é nossa bandeira maior.

Hoje aqui, e nos dias que antecederam, tivemos o sentimento da gratidão vibrando no coração de inúmeros espíritos que puderam ser resgatados das zonas mais comprometidas do orbe, promovida em função da alegria e do amor que foi construído e vivenciado por todos aqui reunidos.

Lembremo-nos que Jesus é o comandante deste planeta e roga-nos nesse momento, por irradiação do pensamento maior, que intentemos para manter em altaneira posição a bandeira do emissário Ismael, Deus-Cristo-Caridade.

Não podemos deixar de colocar que os frutos citados só aconteceram porque alguns se dispuseram a lutar pelo bem comum, esquecendo de suas querências e fazendo prevalecer a caridade real.

A nossa nação destaca-se entre aquelas que se esforçam a construir o futuro em que o sentimento maior do amor seja vivido por toda humanidade.

A missão de suportar as tribulações refletir-se-á quando exaltarmos a convivência de paz em cada momento da existência. O Coração do Mundo começa em nós.

Brasil, Terra abençoada que nos deu moradia. Brasil, solo fértil dos sentimentos nobres. Brasil, pátria que proporciona às grandes individualidades da terra a oportunidade de servir incondicionalmente.

Por Jesus, por Ismael e em nome de todos espíritos espíritas aqui reunidos, desejamos a todos PAZ.

Pedro de Alcântara
(Mensagem psicografada em 14/10/2018, no 5º Congresso Espírita do Estado do Rio de Janeiro, pelo médium Alexandre Pereira)

FAKE NEWS – O que o Espiritismo tem a ver com isso?

Artigo publicado em 18/12/2017 no site da Federação Espírita Brasileira (FEB)

Agora é moda. Ou seria modismo?!…

O novo é inovador, transformador. Assim é a Boa-Nova, a mensagem do Evangelho de Jesus, oportuna. O Espiritismo também é sempre atual em seu conteúdo.

Ao contrário, o modismo vem e passa, alardeia e some, confunde e desaparece… É comum surgir uma ou outra “novidade” que pretende revolucionar o mundo, como se a roda fosse descoberta a cada momento!

As informações são veiculadas a mancheias e surgem de inúmeros lugares e de replicadores, sem que se saiba ao certo a fonte original. Muito menos se consegue verificar a originalidade ou fidelidade da informação: verdadeira ou falsa?

Um princípio básico do jornalismo é que a fonte deve ser inúmeras vezes checada, conferida, antes de a matéria ser publicada, para se ter certeza de sua origem e autenticidade.

Hoje se fala tudo sobre qualquer coisa, sem nenhum compromisso com o conteúdo, fatos e pessoas. Interessa mais o furo, ser o primeiro a disseminar a novidade. A pressa em compartilhar, postar, divulgar é impressionante e lamentável.

Já ouviram falar em fake news, as tais notícias falsas? Agora, todo mundo está falando sobre isso, no Brasil e no mundo inteiro. Se você não sabe o que é, fique antenado, pois isso é a febre contagiante dos tempos líquidos em que vivemos.

Fala-se o que não se deve, espalha-se o que não se poderia. Notícias falsas, informações incompletas, dados manipulados, meias-verdades, polêmicas, tendenciosidades, extremismos, formação de opiniões…

O que está por detrás da divulgação de mensagens ou notícias falsas? Enganar, iludir, apenas se divertir?!…

*

O Evangelho de Jesus e o Espiritismo têm algo a ver com tudo isso?

Nada melhor que os próprios autores responderem. O que parece novo, não é tão novo assim. Isso porque falsas notícias, inverdades sempre existiram. É que agora, com o poder de impulsão pelas redes sociais, tudo parece ser instantâneo, em tempo real, e a acessibilidade às informações está cada vez mais fácil na sociedade pós-moderna da informação, da ciência e da tecnologia em que estamos imersos.

O cuidado com o trato das fake news não é de agora. Jesus e o Espiritismo já nos apontam como nos comportar diante de tais situações.  Vamos conferir algumas expressões que alertam sobre o assunto:

1)  Não acrediteis em todos os Espíritos, mas provai se os Espíritos são de Deus, porque são muitos os falsos profetas, que se levantaram no mundo (João, Epístola I, cap. 4: 1).

2) A boca fala do que está cheio o coração (Lucas, 12: 34).

3) Guardai-vos dos falsos profetas que vêm ter convosco cobertos de peles de ovelha e que por dentro são lobos rapaces. Conhecê-los-eis pelos seus frutos. Podem colher-se uvas nos espinheiros ou figos nas sarças? Assim, toda árvore boa produz bons frutos e toda árvore má produz maus frutos. Uma árvore boa não pode produzir frutos maus e uma árvore má não pode produzir frutos bons. Toda árvore que não produz bons frutos será cortada e lançada ao fogo. Conhecê-la-eis, pois, pelos seus frutos (Mateus, 7:15 a 20.)

4) Tende cuidado para que alguém não vos seduza; porque muitos virão em meu nome, dizendo: “Eu sou o Cristo”, e seduzirão a muitos. Levantar-se-ão muitos falsos profetas que seduzirão a muitas pessoas; e porque abundará a iniquidade, a caridade de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até o fim se salvará. Então, se alguém vos disser: “O Cristo está aqui, ou está ali”, não acrediteis absolutamente; porquanto falsos cristos e falsos profetas se levantarão e farão grandes prodígios e coisas de espantar, ao ponto de seduzirem, se fosse possível, os próprios escolhidos (Mateus, 24:4, 5, 11 a 13, 23 e 24; Marcos, 13:5, 6, 21 e 22.)

5) Deve-se publicar tudo o que os Espíritos dizem? (Allan Kardec, RE, nov. 1859)

6) Antes de falar qualquer coisa, passe pelos três crivos, ou pelas três peneiras: se é bom, verdadeiro e útil (Atribuído a Sócrates).

7) Na dúvida, abstém-te, diz um dos vossos velhos provérbios. Não admitais, portanto, senão o que seja, aos vossos olhos, de manifesta evidência. Desde que uma opinião nova venha a ser expendida, por pouco que vos pareça duvidosa, fazei-a passar pelo crisol da razão e da lógica e rejeitai desassombradamente o que a razão e o bom senso reprovarem. Melhor é repelir dez verdades do que admitir uma única falsidade, uma só teoria errônea (Erasto. LM, cap. 20, it. 230).

*

É natural nos questionarmos sobre qual deve ser nossa postura diante das informações possivelmente falsas.

Recomendável que o discernimento oriente nossas ações. Assim, oportuno lembrar que, perante as possíveis fake news, devemos:

a) ser cautelosos quanto a novidades e notícias bombásticas;

b) adotar a dúvida, como segurança informacional, sem julgamentos;

c) levantar rigorosamente a fonte da informação;

d) avaliar se o conteúdo é verdadeiro, bom, útil e pertinente; e

e) evitar retransmitir conteúdos duvidosos ou suspeitos por quaisquer meios nas redes sociais: Facebook, Twitter, WhatsApp, e-mail, textos, palestras, conversas, dentre outros.

Lembremo-nos que somos divulgadores, influenciamos e somos influenciados o tempo todo na vida. E, consequentemente, somos responsáveis pelos nossos pensamentos, palavras e ações onde estivermos e aonde formos.

Pensemos no bem! Falemos sobre o bem! Ajamos no bem! Assim, o mundo será melhor para todos nós.

Referências:

DEVE-SE publicar tudo o que dizem os Espíritos? Revista Espírita, nov. 1859. Disponível em: http://www.febnet.org.br/blog/geral/colunistas/deve-se-publicar-tudo-quanto-dizem-os-espiritos/>. Acesso em: 14 dez. 2017.

KARDEC, Allan. O evangelho segundo o espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 131. ed. 8. imp. (Ed. Histórica). Brasília: FEB, 2017. Cap. 21, it. 1-3.

_____. O livro dos médiuns. Tradução de Guillon Ribeiro. 81. ed. 5. imp. Brasília: FEB, 2016. (Ed. Histórica). Cap. 20, it. 230.

Para ler esse artigo no site da FEB clique aqui.

Confira nossa programação do mês de Outubro

Esclarecimento da FEB sobre a psicografia de Chico Xavier

Brasília, 19 de setembro de 2018

Chegou ao conhecimento da Federação Espírita Brasileira uma psicografia atribuída ao médium Francisco Cândido Xavier e ditada pelo Espírito André Luiz, com supostos esclarecimentos sobre o futuro político brasileiro. Este texto que surge de tempos em tempos vem com o título “Mensagem de Natal”, contemplando diversas interpretações de acordo com o cenário atual. Após análise da mensagem, a Federação Espírita Brasileira entrou em contato com órgãos federativos e pesquisadores, constatando que se trata de uma mensagem apócrifa.

É salutar que nestes momentos decisivos tenhamos uma conduta confiante no Evangelho e pautada no exemplo deixado por Jesus Cristo.  Vibremos, positivamente, focados em um futuro de paz e união, com respeito às opiniões diversas.

Lembramos aqui um trecho da mensagem psicofônica recebida pelo médium Divaldo Pereira Franco, no encerramento da Reunião Ordinária do Conselho Federativo Nacional (publicada no Reformador do mês de dezembro de 2014), em Brasília, DF, na manhã de domingo, em 9 de novembro de 2014 que diz:

“Neste momento de desafio e de conflitos de todo porte, é natural que surjam divergências, opiniões variadas, procurando a melhor metodologia para o serviço da Luz. O direito de discordar, de discrepar, é inerente a toda consciência livre. Mas, que tenhamos cuidado para não dissentir, para não dividir, para não gerar fossos profundos ou abismos aparentemente intransponíveis.

Que o espírito de união, de fraternidade, leve-nos todos, desencarnados e encarnados, à pacificação, trabalhando essas anfractuosidades para que haja ordem em nome do progresso.

O amor é o instrumento hábil para todas as decisões. Desarmados os corações, formaremos o grupo dos seres amados do ideal da Era Nova.

Nunca olvideis que o mundo espiritual inferior vigia as nascentes do coração dos trabalhadores do Bem e, ante a impossibilidade de os levar a derrocadas morais, porque vigilantes na oração e no trabalho, pode infiltrar-se, gerando desequilíbrio e inarmonias a benefício das suas sutilezas perversas e a prejuízo da implantação da Era Nova sob o comando do Senhor.

Nunca olvidemos, em nossas preocupações, que a Barca terrestre tem um Nauta que a conduz com segurança ao porto da paz.

Prossegui, lidadores do Bem, com o devotamento que se vos exige de fazerdes o melhor que esteja ao vosso alcance, em perfeita identificação com os benfeitores da humanidade, especialmente no Brasil, sob a égide de Ismael, representando o Mestre inolvidável.

Venceremos lutando juntos, esquecendo caprichos pessoais, de imposições egotistas, pensando em todos aqueles que sofrem e que choram, que confiam em nossa fragilidade e aguardam o melhor exemplo da nossa renúncia em favor do Bem, do nosso devotamento em favor da caridade, da nossa entrega em novo holocausto.”

Muita paz a todos!

Fonte: Federação Espírita Brasileira (FEB)
www.febnet.org.br

Nascimento de Allan Kardec, o codificador da Doutrina Espírita

Hippolyte Léon Denizard Rivail, Allan Kardec, nascido em 3 de outubro de 1804, em Lyon, na França, realizou a tarefa missionária de codificar, isto é, apresentar em livros, metódica, didática e logicamente organizados, comentados e explicados, os postulados da Doutrina Espírita.

O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e Inferno e A Gênese são a base para conhecer e estudar a Doutrina Espírita.

Fonte: Federação Espírita Brasileira (FEB)

Quer saber mais sobre a história de Allan Kardec? Então clique aqui!

O Museu do Rio de Janeiro

Por Divaldo Franco
Professor, médium e conferencista

Todos nós, brasileiros, lamentamos profundamente o esperado incêndio do museu histórico do Rio de Janeiro, responsável por 200 anos de brasilidade, sob vários aspectos.

Narra a imprensa que a questão de segurança vinha sendo debatida desde há muito, sem que as necessárias providências fossem tomadas com seriedade, o que facultou a terrível catástrofe.

Enquanto as labaredas consumiam parte da nossa história, não nos foi possível ficar indiferentes àquela consumpção decorrente da irresponsabilidade humana. Recordo-me de quando Hitler em 1933 celebrou com os seus asseclas a queima dos livros escritos por judeus, iniciava, dessa forma, a futura cremação de seres humanos nos seus campos de trabalhos forçados e câmaras de gás…

Visitando Dachau, lembro-me de uma frase de grande poeta ali exposta: “Quando se queimam livros, mais tarde se queimarão seres humanos”. Era uma profecia macabra que se fez real e chocou a humanidade.

A história de uma nação é a sua alma, são os seus feitos, suas glórias e quedas, suas experiências vitoriosas ou infelizes, páginas vivas que contribuirão em favor do seu e do futuro do povo.

Milhões de documentos valiosos transformaram-se em cinza, e hoje permanece o esqueleto carbonizado do edifício grandioso, que um dia foi residência da família real que governou o País.

Nunca mais será possível recuperar-se qualquer peça, porque nenhuma providência foi tomada, mesmo durante o incêndio, para ser salva.

Os que viram o fogaréu ficaram imobilizados…

Tive ocasião de visitar Oradour, cidade francesa que os nazistas destruíram durante a Segunda Guerra Mundial, por falso motivo de receber e esconder partisans (guerrilheiros patriotas), não deixando vivas sequer as plantas. A cidade fora cercada e aniquilada com todos os seus habitantes e animais. Posteriormente, o general Charles de Gaulle, ao tornar-se presidente da França, tornou-a patrimônio da humanidade através da Unesco, como lição viva da barbárie humana.

Quantos extraordinários documentos desapareceram para sempre, fotografias, pinturas, trabalhos científicos e peças de arte foram consumidos, deixando-nos ignorantes da própria história.

As futuras gerações estarão órfãs desde agora de poderosas e legítimas fontes de informações a respeito do belo país em que renasceram.

O Brasil, dizem muitos notáveis periodistas, é “um país sem história”, o que se torna lamentável, considerando-se a sua grandeza e o seu destino espiritual e cultural.

Que a infeliz ocorrência pelo menos sirva de advertência às autoridades responsáveis por outros patrimônios vivos desta grandiosa pátria do Cruzeiro do Sul, fadada à construção de uma sociedade justa e plenamente feliz.

Artigo publicado no jornal A Tarde, coluna Opinião, em 06-09-2018.

Como salvar a livraria fundada por Kardec em Paris

O recente vídeo publicado no YouTube – Como salvar a livraria fundada por Kardec em Paris – de autoria do blog Mari@tips.paris, tem suscitado muitos comentários nas redes sociais da Internet, nem sempre abalizados, ocasionando, de igual modo, inúmeras consultas à Federação Espírita Brasileira.

A título de esclarecimento e resposta às questões formuladas, apresentamos alguns dados históricos sobre o tema, coligidos pelos colaboradores da FEB José Jorge Leite de Brito e Samuel Nunes Magalhães, bem como fazemos saber quais medidas vimos adotando na sua condução.

Livraria Espírita/Livraria Leymarie

A livraria idealizada por Allan Kardec, e consolidada por Amélie Boudet – Livraria Espírita – tinha sede à Rua de Lille, nº 7, Paris, França. Criada por uma sociedade de espíritas, existia, exclusivamente, para atender os interesses do Espiritismo. Administrada por um gerente não remunerado, i.e., simples mandatário, os lucros advindos de suas atividades eram todos destinados à Caixa Geral do Espiritismo.
Além do seu endereço inicial à Rua de Lille, nº 7, a Livraria Espírita estabeleceu-se à Rua Neuve-des-Petits-Champs, nº 5, em agosto de 1878; à Rua Chabanais, nº 1, em setembro de 1888; e à Rua du Sommerard, nº 12, a partir de 1895. Vinculada à Sociedade Anônima sem fins lucrativos e de capital variável da Caixa Geral e Central do Espiritismo, teve como administradores o Sr. Armand Théodore Desliens, de abril de 1869 a agosto de 1871, e o Sr. Pierre-Gaetan Leymarie, de setembro de 1871 a 10 de janeiro de 1895.

Até 10 de janeiro de 1895, data de abertura do seu processo de falência, a Livraria Espírita teve seu nome alterado uma única vez: Livraria de Ciências Psicológicas e Espíritas, a partir de 1878; e a Sociedade Anônima sem fins lucrativos e de capital variável da Caixa Geral e Central do Espiritismo, em mais de uma ocasião: Sociedade para a continuação das obras espíritas de Allan Kardec, em 18 de outubro de 1873; Sociedade Científica do Espiritismo, em 1 de agosto de 1883; Sociedade de Livraria espírita fundada por Allan Kardec, em 30 de setembro de 1888.

A Livraria Leymarie ou Edições Leymarie, fundada por Pierre-Gaetan Leymarie, surgiu em outubro de 1895, com endereço à Rua des Petits-Champs, nº 24; e, em outubro de 1896, mudou-se para a Rua Saint-Jaques, nº 42 – seu atual endereço –, onde antes funcionara a Livraria de Ciências Psíquicas, também instituída por P.-G. Leymarie.

Do exposto, concluímos que a Livraria Espírita e a Livraria Leymarie são entes distintos, separados em sua fundação por quase três décadas, lembrando que a livraria fundada por Allan Kardec, em 1869, há muito encerrou as suas atividades, devido ao processo de falência instaurado em 10 de janeiro de 1895.

Acervo de Allan Kardec

Quanto aos materiais apontados como do acervo particular de Allan Kardec – correspondências, livros, quadros, fotografias et cetera – se autênticos, devemos considerar que são oriundos do Espólio da Sra. Amélie Boudet, transferidos à Sociedade para a continuação das obras espíritas de Allan Kardec, em fevereiro de 1883, e depois, com a falência da Sociedade, à família Leymarie, de quem descende Philippe Leymarie, atual proprietário da Livraria Leymarie.

Com o objetivo de avaliação preliminar do seu real valor histórico, estaremos realizando visita in loco, para, então, definirmos as ações passíveis de serem implementadas pela Federação Espírita Brasileira, de preferência, em consórcio com o Movimento Espírita Brasileiro e Movimento Espírita Internacional.

Conselho Diretor da FEB
Brasília, 18 de setembro de 2018.

Imagem: Aventuras na História

MEAG promove 10ª Tarde do Cachorro Quente em outubro

Com a finalidade de arrecadar fundos para o custeio das atividades de seus membros dentro e fora da instituição, a Mocidade Espírita Anjo Gabriel, MEAG, realizará no próximo dia 7 de outubro, sua 10ª. Tarde do Cachorro Quente, evento aberto a todos interessados.

Os convites custam R$ 15,00 e dão direito a um cachorro quente e dois copos de 250ml de refrigerante. O evento será desenvolvido no salão de palestra e estudo da Associação Espírita Anjo Gabriel, à Rua José de Alencar, 9, na Vila Belmiro, das 15h30 às 18 horas.

Além de cachorros quentes, serão vendidos doces e salgados e sorteados brindes.

Os convites podem ser adquiridos junto aos membros da MEAG.

Mocidade Espírita Anjo Gabriel tem presença confirmada no EMEBS

O Departamento de Mocidade da USE Baixada Santista e vale do Ribeira realiza no dia 23 de setembro, o 16º

Encontro de Mocidades da Baixada Santista e Vale do Ribeira, das 8 às 18 horas.

O evento acontece na cidade de Itanhaém, na Escola Municipal Noêmia Salles Padovan, à Rua Dorival M. Silva, 124, no Conjunto Habitacional Guarapiranga. A Mocidade Espírita Anjo Gabriel, MEAG, tem presença confirmada.

O EMEBS também terá a participação especial da banda espírita Cartas de Bordeaux.

A organização do EMEBS solicita àqueles que puderem a doação de 1kg de alimento não perecível, que será doada para uma instituição escolhida após o evento.

O que é o EMEBS?

EMEBS é o Encontro de Mocidades Espíritas da Baixada Santista. É um evento elaborado com base na Doutrina Espírita, onde será estudado o tema GENTILEZA gera GENTILEZA, de forma bem divertida através de integrações, dinâmicas e apresentações, durante um dia inteiro. O evento disponibiliza aos jovens café da manhã, almoço e café da tarde.

Como chegar ao EMEBS Itanhaém?

Um ou mais ônibus serão fretados para locomoção dos jovens até o local do evento. No mês de Setembro a organização entrará em contato com o dirigente das mocidades para informar todos os detalhes. Não deixe de fazer sua inscrição e responder a última pergunta sobre o meio de transporte.

Setembro amarelo: O martírio dos suicidas é lançado pela FEB Editora

“Os motivos de suicídio são de ordem passageira e humana; as razões de viver são de ordem eterna e sobre‐humana.”
(DENIS, Léon. O problema do ser, do destino e da dor. Brasília: FEB, 2016, cap. 10.)

 

 

 

 

Especialmente para o setembro amarelo, mês em que várias instituições aderem uma campanha pela prevenção do suicídio e pela valorização da vida, a FEB Editora lança o livro O martírio dos suicidas em formato digital.

A obra escrita por Almerindo Martins de Castro tem o objetivo de esclarecer e ser uma fonte de consulta para todos os que estão passando por algum momento de aflição e desespero. Também é destinada a auxiliar e inventiva as pessoas a prestarem o devido socorro.

O martírio dos suicidas contém a visão da Doutrina Espírita sobre o suicídio e apresenta comunicações de espíritos que detalham as circunstâncias e sentimentos que os levaram a este ato extremo, com informações necessárias para encerrar a ilusão de que a vida finda com a morte do corpo físico.

Sobre o autor:

Almerindo Martins de Castro nasceu na cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, no dia 8 de setembro de 1883. Aos 44 anos de idade ingressou no Espiritismo e apesar da pouca escolaridade, por amor e forte determinação adquiriu cultura e erudição. Quando mudou para o Rio de Janeiro, trabalhou pela divulgação da Doutrina Espírita por meio de conferências e artigos publicados na revista Reformador. É autor de livros de destaque, como: Antônio de Pádua e O martírio dos suicidas. Colaborou também na elaboração das obras mediúnicas Eça de Queiroz póstumo e Os funerais de Santa Fé, editadas pela FEB Editora. Traduziu as obras StellaNarrações do infinito e Urânia, de Camille Flammarion; Romance de uma rainha e A vingança do judeu, de J.W. Rochester; Hipnotismo e espiritismo, do Dr. José Lapponi e Hipnotismo e mediunidade, de César Lombroso, todas pertencentes ao acervo editorial da Federação Espírita Brasileira. Desencarnou em 17 de maio de 1987.

O Martírio dos suicidas pode ser adquirido nas seguintes lojas: AmazoniBookstore e Google Play.

FONTE: Federação Espírita Brasileira (FEB)